domingo, 20 de janeiro de 2013

Sonhar era Fácil: ascensão e queda da comédia portuguesa


«Sonhar era Fácil» é um dos produtos mais interessantes e mais bem trabalhados que a televisão portuguesa deu ao Mundo nos últimos anos. Constituído por cinco episódios de cerca de cinquenta minutos cada, esta série pretende dar a conhecer os principais filmes e personalidades que fazem parte da tão-vulgarmente designada "época de ouro" do Cinema Português. Através de excertos dos filmes, na sua maioria, com protagonistas de alto gabarito como António Silva, Vasco Santana e Ribeirinho, acompanhados por um rol inesquecível de atores secundários, e com entrevistas de arquivo com realizadores e intérpretes das fitas, é feita a análise da importância de que estas obras têm para a compreensão do Portugal de então, seus valores e costumes, e também da forma como estas películas passaram de geração em geração, conseguindo ainda hoje fazer rir e proporcionar momentos inesquecíveis para quem as quiser ver. Contudo, este período não durou muito tempo, e a mudança de mentalidades e de perspetivas de vida não ajudou a que o sucesso destas comédias se prolongasse pela década de 50. É pena que hoje em dia se produzam tão poucas comédias em Portugal, já que é um género que poderia ser muito explorado e adaptado às vivências dos portugueses de uma forma tão inteligente e divertida como fizeram estes filmes clássicos.

«Sonhar era Fácil» conta também com depoimentos atuais preciosos de individualidades como Artur Agostinho (o documentário foi elaborado poucos meses antes da sua morte), António-Pedro Vasconcelos (que realiza e conduz o último episódio desta série), Luíz Francisco Rebello, Filipe La Féria, Herman José e José de Matos-Cruz, bem como dos familiares de alguns dos atores e realizadores de comédias como «A Canção de Lisboa», «O Pátio das Cantigas», «O Pai Tirano» e tantas outras, com mais ou menos sucesso junto do público. Através de um detalhe e de uma seleção de informação muito interessante e apelativa, conseguiu-se fazer uma série documental acima da média e que deveria ser exemplo para muitos pseudo-documentários lusos que são transmitidos regularmente. Sem recorrer a influências políticas ou culturais, «Sonhar era Fácil» apresenta-nos o retrato de um Portugal diferente e de como a ligação de um país com o seu cinema é muito importante. Essa ligação hoje em dia já não existe de todo, mas é muito interessante conseguirmos ver, nestes clássicos que a RTP retransmite regularmente (e bem!), certas particularidades indissociáveis do Estado Novo, mas outras que se mantêm atuais (e hilariantes) hoje em dia. Esta série esteve em reposição esta semana na RTP2, e está disponível na íntegra no youtube. E vale mesmo muito a pena, para podermos conhecer melhor uma época em que o sonhar não era limitado pela falta de recursos económicos, visto que o engenho e a criatividade dos profissionais daqueles anos souberam sempre dar a volta às dificuldades, deixando marcas cómicas e artísticas para a posteridade.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).