domingo, 19 de janeiro de 2014

O Lobo de Wall Street [2013]


O regresso de Martin Scorsese ao grande ecrã faz-se com grande pompa e circunstância neste O Lobo de Wall Street, o filme mais longo da sua carreira, e que é um regresso às origens do realizador e aos temas que tornaram célebres alguns dos seus projetos mais famosos, como Tudo Bons Rapazes e Casino.

É uma película alucinante que nos deixa chocados, mas também entusiasmados pelo rumo dos acontecimentos, e pela constante inventividade de Scorsese que, apesar do fabuloso argumento de Terence Winter ser bastante fiel ao que Jordan Belfort conta no seu livro autobiográfico, proporciona alguns toques de originalidade na execução das cenas e em alguns truques narrativos e cinematográficos que são cozinhados com uma grande mestria. Nunca vimos Leonardo DiCaprio como aqui, numa performance que arrasa tudo e todos, e que é, talvez, a sua mais provocadora e exuberante interpretação. 

Torna-se difícil saber se será este filme uma comédia sem moralismos, ou um drama que pretende disfarçar-se de peça humorística. Rimo-nos de algumas situações, pelo ridículo que transportam e pelo excesso que representam, mas não nos sentimos culpados das nossas próprias gargalhadas? Árdua esta questão, mas a máscara de farsa não esconde as intenções que Scorsese quer passar, e a constante obsessão do seu Cinema em dissecar o lado profano da espécie humana.

Leiam a crítica integral no Espalha Factos.

2 comentários:

  1. Grande filme, sobre um lobo esfaimado que demonstra com precisão o preço que o poder tem e a sua influência sobre os homens. Grandes cenas de comédia( a do barco prestes a afundar-se e Jordan a querer saber só da droga é demais!!) sendo que o drama pouco vem à superficie no filme. Grande interpretação do Dicaprio embora não seja a melhor (o meu top é: Shutter Island, Inception , J.Edgar e Django)

    ResponderEliminar
  2. ASS: Um tipo aparte

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).